Nevis e San Maarten e mil desculpas pelo sumiço parte II

Na publicação anterior eu fiz uma previsão otimista de ainda ter uns 10 ou 15 dias de trabalho intenso no barco para deixá- lo com tudo instalado e então partir de San Maarten, fugindo da temporada de furacões para o nosso próximo destino ainda indeterminado na época. Acabamos permanecendo na marina mais algumas semanas trabalhando muito e tivemos a oportunidade de conhecer os donos de dois veleiros com bandeira brasileira, Júlio, brasileiro e seu tripulante Bertrand, um francês divertidíssimo no veleiro Amazon, tomamos um vinho e uma cachacinha juntos contando as histórias do mar, e o casal Heló e Sérgio, donos do Cirandeiro e nossos vizinhos na marina, também velejadores a muitos anos que nos convidaram para um happy hour e nos divertimos muito contando nossas aventuras.

Veleiro do Júlio

Veleiro do Júlio

Júlio e Bertrand

Júlio e Bertrand

 

Fui convidada para dar uma palhinha em um restaurante muito famoso chamado Rancho especializado em música latina e espero ter feito um bom papel representando a música que considero a melhor do mundo, a nossa MPB.

image

Agora, alguns dias a mais do que o previsto e com um belo atraso, mas satisfeitíssimos com as melhorias no barco estamos de partida para Anguilla, uma ilha bastante próxima de Saint Martin, sim, mudou a grafia pois agora estamos do lado francês, na Baía de Marigot que além de possuir uma água translúcida tem a temperatura mais deliciosa, a melhor em que nadei em minha vida, e a sensação maravilhosa nos mergulhos é ainda mais forte em função da privação de banhos de mar que a permanência prolongada na marina nos obrigou, mas quando vejo o que para mim é pura mágica: 30 litros de água doce por hora de funcionamento entrando em nossos tanques ( santo watermaker), as baterias bombando e o Rubão pegando menos no meu pé quando acendo minhas luzes ( santos painéis solares novos), o montão de queijos franceses que pude comprar baratinho ( santa geladeira nova ) e muitas outras melhorias, percebo o quanto isso tudo facilitará a vida a bordo. Passaremos somente uns dois ou três dias em Anguilla que fica a somente 14 milhas daqui e seguiremos então para nosso próximo destino, Grenada, a umas 380 milhas, provavelmente sem paradas, pois o tempo urge e começo a sentir um friozinho na barriga quando ouço a palavra furacão, CREDO!!!

Saindo do lagoon após 2 meses de marina

Ponte levantando para passagem

Ponte levantando para passagem

O que mudou e foi uma mudança maravilhosa, foi que os amigos do catamarã Cascalho, Luís e Mauriane, resolveram se juntar a nós na última semana e temos tirado o atraso nas diversões e passeios com o casal, fora o “almojanta” regado a um bom vinho que rola diariamente em Dóris ou no Cascalho.

Sashimi e sushi feitos por mim e devorado no Cascalho, que nos fartou depois com um peixinho com alcaparras na manteiga. Bommmmmmm!

image

 

Rock no Lagoonis, viramos fregueses de carteirinha e estamos iniciando os amigos

Rock sagrado no Lagoonis com os amigos do Cascalho

Rock sagrado no Lagoonis com os amigos do Cascalho

 

Retomamos nossas compras em Philipsburg

Píer de Philipsburg

Píer de Philipsburg

Será que rolou uma jóia? SIM! Na verdade eu ganhei um pingente e Mauriane um brinco do simpático dono da loja. Inesperado!

Lindas jóias e dono generoso e grande admirador do Brasil

Lindas jóias e dono generoso e grande admirador do Brasil

image

Cantinho de Philipsburg

Cantinho de Philipsburg

Nesta calçada funcionava uma maternidade e as paquinhas no chão assinalam os nascimentos

Nesta calçada funcionava uma maternidade e as plaquinhas no chão assinalam os nascimentos

image

 

 

E no final da tarde...

E no final da tarde…

Cascalho, que embarcação maravilhosa!

Cascalho, que embarcação maravilhosa!

 

Bom, quem está acompanhando o blog lembra-se do nosso desejo de navegar pelas região da Venezuela e das ilhas ABC e também da insegurança que sentíamos sobre os conselhos que ouvíamos, todos versando sobre a pirataria, os roubos frequentes na região e a instabilidade política e econômica que o país enfrenta gerando toda essa conturbação. Pesquisamos alguns sites, conversamos com mais navegadores, inclusive com alguns que já viveram naquela região embarcados e que resolveram sair recentemente de lá, e em comum acordo com nossos vizinhos de viagem do Cascalho optamos pela situação mais segura no momento: seguir para Grenada que é belíssima e conhecemos muito ligeiramente em nossa subida, possuindo diversas ancoragens diferentes e pontos de mergulho, muita lagosta e conch para serem caçados e comidos, hahaha, e a proximidade com outras ilhas maravilhosas para visitar, mas principalmente, estrategicamente próxima de Trinidad que é totalmente segura no caso de um aviso de furacão surgir. Talvez se perguntem então, porque não Trinidad direto? Porquê lá é CHATO! Em Grenada estarão muitos amigos e pretendemos ficar em Prickly Bay em nossa primeira ancoragem pois lá tem aquela marina que frequentamos enquanto estávamos ancorados no início da viagem que promove shows de música ao vivo, happy hour com preços ótimos e o principal no momento, um baita telão para transmitir a copa do mundo. Acho que passaremos pela dualidade de sentimentos de torcer contra para que a “presidenta”, assim, bem minúscula e com erro ortográfico como merece, se ferre, com toda a sua corja, e aquele outro lado, brasileiro mesmo, sofredor, de fazer figa , roer as unhas e acabar torcendo pelo gol, mesmo contra a vontade. Os amigos também nos disseram que, em função do grande número de velejadores que permanecerão por lá na temporada, estão organizando vários passeios diários para cachoeiras, vulcões, acho que vai ser uma farra. Mais no final da temporada iremos provavelmente para Trinidad retomar os trabalhos, UFA, parece que nunca acaba, tirar o barco da água e pintar o fundo, mas já estou colocando o carro na frente dos bois, ou será o barco…mas na frente dos bois? Baleias? Leões marinhos? Hahaha, até a próxima, em alguns dias, já em Grenada. Rita P.S Olhem a “comprinha” de vinhos e comidinhas francesas para o estoque. Acreditem, carregamos tudo por mais de um quilometro…já queimando as calorias.

Provisões

Provisões

Anúncios

2 Respostas to “Nevis e San Maarten e mil desculpas pelo sumiço parte II”

  1. Mara Says:

    Maravilha, queridos!!! Pelo tom do texto da Rita, vejo que vcs estão muito bem, que as melhorias no veleiro levantaram a moral dos tripulantes e que o Caribe já se parece mais com o quintal da casa de vcs. Percebo vcs muito à vontade aí! Ah! Gostei do corte de cabelo, viu, Rita; ficou ótimo! Beijos com saudades e com vontade de estar aí tb…

    Curtir

  2. Maria Eugênia Cavalli Rosim Says:

    É, pelo visto vocês já estão se sentindo em casa! Comidinhas, bebidinhas, novo visual, presentinhos! Desse jeito nem vão mais se lembrar dos caipiras daqui! Mas vocês merecem, curtam bastante, aproveitem mesmo, e guardem algumas histórias para contar pessoalmente. Concordo com a Mara, o corte de cabelo ficou lindo! Rita você está muito bonita com esse bronzeado invejável. O Rubão também está ótimo, só precisa fazer a barba de vez em quando. Estamos com muitas saudades de vocês. Um abração!

    Curtir

Que bom que comentou!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: